Indicação do blog

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Arquitetura X moda

Quando eu tinha 12 anos ria das fotos dos meus pais e tios com calça boca de sino, logo depois foi a vez do ódio ao salto quadrado,  passei os próximos anos julgando roupas e sapatos da geração anterior, hoje em dia julgo a mim mesma por peças que já usei. O mundo da moda é assim, vai e volta. Tenho certeza que daqui a 10 anos, nossos filhos terão a mesma reação ao olhar nossas fotos antigas.

A indústria da moda permite que essa variação seja constante, roupas não precisam durar muitos anos, aquele terno com ombreiras foram substituídos por outro com desenho mais discreto,  e por outro e pelo modelo Slim e agora pelo super slim. 


Na arquitetura tem um pouco disto, bem vemos pelos ladrilhos hidráulicos que voltaram com tudo ou pelas peças vazadas em estilo cobogó, que se você olhar bem vai vincular à antiga casa da sua avó. 






Tentamos imitar hoje materiais usados há anos atrás. Criamos materiais atuais que imitam outros tanto usados pelos nossos ancestrais. E temos tecnologia, criatividade e mercado para isso.

Madeira plástica

Porcelanato Portobello

Porcelanato imitando mármore

Mas existe uma característica inquietante na arquitetura que precisa ser colocada em destaque. Um prédio é construído para durar, ele não pode seguir cegamente modismos temporários. Uma casa construída no início da década de 90, provavelmente continua cumprindo seu papel ainda hoje (mesmo que tenha passado por algumas reformas), e durante sua vida útil assistiu seus moradores desfilando com distintas roupas de acordo com cada ano.  

Por essa razão, desde a volumetria da fachada até aos pequenos acabamentos, seguir modismos rápidos é uma escolha arriscada. Todo ano somos bombardeados com novas opções, novas cores, novos formatos. E você pode se apaixonar por determinado material e exigir que seu arquiteto o utilize, mas dentro dessa situação é preciso desenvolver um projeto completo onde materiais, formas e função funcionem em conjunto, respeitem os seus moradores e seus hábitos e resistam ao tempo. 

Esse resultado é possível, quantas casas você já não viu por aí, que apesar da idade continuam lindas e atuais? Você tem alguma assim? Manda pra gente, vamos fazer uma postagem aqui sobre elas.
arquiteturavp@gmail.com



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

A culpa é sempre do arquiteto! Verdade ou mentira?


Ta aí uma coisa que os arquitetos sentem, que tudo no final sobra para ele. Se o material especificado está muito caro, se o pedreiro errou, se o projeto foi alterado e isso gerou um problema futuro, se a execução do acabamento ficou mal feita e assim vai, a lista é imensa.

Eu concordo que o arquiteto tenha total responsabilidade em controlar mão de obra, preços e execução de serviço. Desde que o mesmo tenha sido devidamente contratado para isso, e quando eu digo devidamente estou falando sim sobre valores.

Quando desenvolvemos um projeto, ele vai para obra devidamente detalhado e é obrigação daquele que vai executar um serviço, seja gesso, granito, madeira ou a própria alvenaria, saber ler o projeto. Não, o arquiteto não faz o projeto apenas para documentar, ele não tem obrigação de instruir a equipe de obra do que está descrito no projeto, em contratos sem esse tipo de exigência do cliente.

Quando alguém vai construir e decide que não quer preocupação nenhuma com equipes de pedreiro e nem mesmo com detalhes de acabamento é a hora de pensar em remunerar um profissional mensalmente para que o mesmo execute e controle de perto a sua obra.

A grande dificuldade do mercado atual é que, na maioria das vezes, os clientes decidem por economizar nessa etapa, e após encontrar alguns erros acabam decidindo que a culpa é do profissional que desenvolveu o projeto, afinal ele deveria ter olhado de perto se estava sendo executado tudo como está detalhado nas várias pranchas que foram pra obra.

Ao buscar valores menores, muitas vezes a pessoa não se atenta ao que está incluso no contrato. Conheço casos em que a pessoa assinou o contrato e nem mesmo lembra os serviços que foram pagos ou não.




Aquela velha frase que diz que o barato sai caro, faz muito sentido ao construir algo. Antes de fechar um contrato entenda exatamente o que estão te oferecendo e os serviços que você planeja receber do profissional. Transparência é uma das principais qualidades ao escolher um arquiteto, é importante que você possa discutir abertamente sobre valores e serviços ofertados.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Residencia em três pavimentos

Residência para jovem casal, dividida em três pavimentos.
Fachada frontal com forte presença e elementos lineares e simples, as janelas principais ficam protegidas por brises metálicos móveis

Ao fundos o vidro aparece com mais personalidade, a casa se abre para o pátio central e área de lazer.


Espaço de lareira ao ar livre, todo revestido em madeira para gerar o conforto necessário a uma noite com amigos

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

7 passos para planejar bem uma reforma

1. Defina limite de investimento financeiro e até onde isso te permite ir:

É importante colocar um limite financeiro para saber o que será possível ou não reformar, com frequência vemos reformas que começam sem planejamento e levam o proprietário a dívidas que não planejava ou, em alguns casos, a economizar em mão de obra na tentativa de fazer tudo o que gostaria.

2.    Defina quais as modificações e reparos você considera de mais importância:

Essa fase é importante para que os pontos de reforma sejam compatibilizados com o valor que você pretende investir. Se o dinheiro não da para executar todas as modificações necessárias você poderá se planejar para que a reforma aconteça em duas etapas e de forma coerente.

3.    Tenha um projeto definido e preveja os problemas:

O projeto vai estipular tudo em uma obra, valor de mão de obra, valor gasto em materiais, o que precisa ser trocado e aquilo que pode ser mantido. É nessa fase que alguns futuros problemas precisam ser previstos antes que a reforma comece, como reparos de infiltração, mudança de pontos elétricos, e pequenos consertos necessários.

4.    Monte um cronograma de obra junto com seu arquiteto:

De acordo com as prioridades, valor e projeto definido você pode obter um cronograma de obra. Neste cronograma serão definidos prazos de serviços, necessidade de produtos em determinadas datas (como piso, luminárias etc) e valor gasto a cada etapa. Esse planejamento te dará mais segurança e controle da sua obra.

5.    Avise aos vizinhos, principalmente em caso de apartamento:




O direito de reformar sua casa ou apartamento, desde que em horário comercial, é garantido a você, mas avisar seus vizinhos sobre a sua obra e prazo estipulado para término poderá prepara-lo melhor para conviver com barulho e pó. Essa atitude poderá evitar um futuro problema.

6.    Opte por fazer toda a parte de quebra antes de dar acabamento em qualquer ambiente:



Dessa forma todo impacto será causado de uma vez, e caso alguma parede sofra algum problema com o quebra- quebra, ela poderá ser reparada junto com todo o acabamento já planejado.
  
7.    Considere uma verba extra para imprevistos:

Infelizmente, alguns itens da obra às vezes podem nos pegar de surpresa. Uma fiação que precisa de reparos, um encanamento muito velho, estruturas internas que não eram possíveis de ser analisadas antes de quebrar as paredes. Por isso aconselho a sempre manter uma margem de verba extra quando começar um reforma, você pode pensar em manter 10% do valor que será gasto para esse tipo de imprevisto.



Reformar nunca é fácil, mas com planejamento e ajuda de bons profissionais o resultado pode ser surpreendente e mudar, e muito, a vivência da família. Como dizem por aí: para ficar bonito, antes tem que ficar feio.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Casa moderna com piscina em Arapongas


A fachada é marcada por grandes volumes em composição com vidro e diferentes texturas


Com conceito de cozinha, churrasqueira, estar e jantar integrado e com pé direito elevado esse projeto é perfeito para aqueles que procuram uma casa para facilitar a convivência entre a família.


Área fundos com piscina


Todos os quartos possuem saída para piscina


Casa para venda em Arapongas-PR a ser construída no Jardim Vale das Perobas.
Para mais informações ou projeto: arquiteturavp@gmail.com

Quarto para jovem casal

Projetado para ser executado pelo próprio casal, esse quarto foi pensado para facilitar a montagem, ao mesmo tempo em que manter o conceito jovem e despojado.


Cabeceira estofada, vasos pendurados e nichos feitos em ferro de construção são o ponto de partida do projeto.